Ourinhos

História

Ourinhos é um município brasileiro no interior do estado de São Paulo. Pertence à microrregião de mesmo nome e Mesorregião de Assis, localiza-se a oeste da capital do estado, distando desta cerca de 370 km. Ocupa uma área de 296,203 km², sendo que 12,4015 km² estão em perímetro urbano, e sua população no ano de 2010 é de 103 026 habitantes, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, sendo então o 73º mais populoso de São Paulo e o primeiro de sua microrregião. Está a 994 km de Brasília, capital federal.
A sede tem uma temperatura média anual de 22.1°C e na vegetação do município predomina a mata atlântica. Em relação à frota automobilística, em 2009 foram contabilizados 45 298 veículos. Com uma taxa de urbanização da ordem de 95,21%, o município contava, em 2009, com 63 estabelecimentos de saúde. O seu Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é de 0,813, considerando como elevado em relação ao estado.
A cidade de Ourinhos foi emancipada de Salto Grande na década de 1910. A versão de sua etimologia é que o nome seja uma referência ao antigo município de Ourinho, hoje Jacarezinho, no estado do Paraná. Atualmente é formada pela cidade de Ourinhos, sendo a sede seu único distrito, subdividida ainda em cerca de 120 bairros. Também é uma das principais cidades da região, e possui como principal atividade econômica o comércio. No setor da agricultura destaca-se o cultivo da cana-de-açúcar, da soja e do milho.
O município conta ainda com uma importante tradição cultural, que vai desde o seu artesanato até o teatro, a música e o esporte. A cidade destaca-se também em seus eventos, organizados, muitas vezes, pela prefeitura de Ourinhos juntamente ou não com empresas locais. Um dos principais é a Feira Agropecuária e Industrial de Ourinhos, que é realizada anualmente no mês de junho e é considerada como um dos maiores eventos do ramo no país.
 
Antes da emancipação
Até o final do século XIX, a região do atual município de Ourinhos não passava de mata virgem, até que as monoculturas de café e algodão atingiram os sertões junto ao Rio Paranapanema. Nessa época teve início a imigração Italiana que rapidamente povoou a região. Isso levou Jacinto Ferreira de Sá, vindo de Santa Cruz do Rio Pardo, a adquirir de Escolástica Michert da Fonseca, uma gigantesca propriedade de terras, tendo loteado a parte central e doado terras para construção de um grupo escolar, sede de administração e um templo metodista.
Em 1906 deu-se o início do povoado com reduzido número de casas. No ano de 1908 foi criado o Posto da Estrada de Ferro, que foi quatro anos mais tarde transformado em uma estação ferroviária pertencente à Estrada de Ferro Sorocabana - a parada servia de baldeação aos passageiros que possuíam como destino o patrimônio vizinho de Ourinhos (atual Jacarezinho, Paraná. Dessa época em diante, a futura cidade teve um desenvolvimento condicionado à exuberância de suas terras e pela sua condição geográfica considerada excelente, já que era uma localidade estratégica do ponto de vista econômico por sua ligação com o norte do Paraná e por estar localizada entre Assis e Avaré, cidades importantes do vale do Paranapanema. O pequeno povoado torna-se Distrito da Paz subordinado a Salto Grande de Paranapanema, em 1915. Três anos depois foi elevado à categoria de município, em 13 de dezembro de 1918, cuja instalação se deu a 20 de março de 1919.
 
Formação administrativa e etimologia
Foi elevado a distrito com a denominação de Ourinhos, por Lei Estadual nº 1484, de 13 de dezembro de 1915, pertencendo ao município de Salto Grande. Foi elevado à categoria de município com a denominação de Ourinhos, por Lei 1618, de 13 de dezembro de 1918, desmembrado de Salto Grande. Constituído do Distrito Sede. Sua instalação ocorreu-se no dia 20 de março de 1919. Pelo Decreto-lei Estadual nº 9073, de 31 de março de 1938, o Município de Ourinhos pertencia ao termo judiciário de Salto Grande, da comarca de Salto Grande. No quadro fixado, pelo Decreto Estadual nº 9775, de 30 de novembro daquele ano, passou a constituir o único termo judiciário da comarca de Ourinhos.
A denominação "Ourinhos" sempre prevaleceu desde sua emancipação política. Um mapa de 1908 mostra uma cidade com o nome Ourinho (no singular), no Paraná, no lugar da atual Jacarezinho. Na realidade, a Ourinho paranaense foi também Nova Alcântara por escolha do seu fundador, o mineiro Antonio Alcântara da Fonseca, que se fixou naquelas terras em 1888. Entre outras denominações, o patrimônio de Nova Alcântara, ou Ourinho, correu o risco de se chamar Costina, em homenagem ao fazendeiro e político Antônio José da Costa Junior, que recusou a discutível honraria. Sua fazenda, aliás, chamava-se Ourinhos e, atravessando o rio Paranapanema, chegava até o lugar conhecido como Água do Jacu, atual bairro rural ourinhense. A lei estadual 352, de 2 de abril de 1900, estabeleceu que Nova Alcântara (ou Ourinho) e o distrito policial de Jacarezinho fossem levados a termo (criação do judiciário) de Jacarezinho, nomeado juiz e adjunto de promotor. A Lei 525, de 9 de março de 1904, criou a comarca de Jacarezinho. Deixava de existir a Ourinho paranaense, ainda que os mapas seguissem por algum tempo a antiga denominação. Os trilhos da Sorocabana oficializaram por sua vez a Ourinhos paulista, que herdou o nome por tradição oral.
 
Depois da emancipação
Com a retomada da Estrada de Ferro e do desmatamento, as terras férteis propiciaram o cultivo do café para exportação, dando na época bastastes lucros. Ao mesmo tempo, chegavam os comerciantes e profissionais de diversas localidades que ajudaram no crescimento e desenvolvimento do município. Também na mesma época, foram atraídos para Ourinhos os colonos japoneses, italianos e outros, cujo objetivo principal era o cultivo das terras ao longo da Estrada de Ferro. Uma outra construção de estrada de ferro, em 1922, que ligaria os Estados de São Paulo e Paraná tornou Ourinhos um importante entroncamento e pólo econômico.
O desenvolvimento urbano da cidade exigiu uma melhora na infraestrutura urbana de Ourinhos. Na década de 1910 foi publicado o primeiro jornal. A Superintendência de Água e Esgotos de Ourinhos foi criada pela Lei nº 808 de 13 de abril de 1967, na gestão do prefeito Domingos Camerlingo Caló.
Também o crescimento de Ourinhos e cidades próximas, foi criada a Microrregião de Ourinhos, reunindo além do município, outros 18 municípios. São alguns deles: Santa Cruz do Rio Pardo, Piraju, Fartura, Ipaussu, Chavantes, Taguaí, Bernardino de Campos, Manduri, Salto Grande, São Pedro do Turvo, Tejupá e Ribeirão do Sul. Em 2006 sua população foi estimada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística em cerca de 294 902 habitantes em uma área total de 5.568,472 km². Seu IDH médio era de 0,792 e o PIB per capita médio de R$ 9.501,74 em 2003. Localiza-se na mesorregião de Assis.
 

Geografia

Ourinhos está localizada junto à bacia hidrográfica do rio Paraná, em uma altitude média de 492 metros, tendo em seu território várias sub-bacias de pequenos e médios córregos com papéis importantes em sua configuração. Seus principais rios são o Paranapanema, Pardo e Turvo, sendo que todos os três cortam Ourinhos praticamente dentro do perímetro urbano da cidade. Conta com topografia levemente acidentada, sendo predominantemente regular. 
Limita-se com os municípios de São Pedro do Turvo, a norte; Jacarezinho, a sul, cidade pertencente a território do estado do Paraná; Santa Cruz do Rio Pardo e Canitar, a leste; e Salto Grande, a oeste. E é cortada no sentido leste-oeste pelo paralelo 49° 52' 15" e em sentido norte-sul pelo meridiano de 22° 58' 44". A área do município é de 296,203 km², representando 0,1193 % do território paulista, 0,032 % da área da região Sudeste do Brasil e 0,0035 % de todo o território brasileiro. A área do perímetro urbano é de 12,4015 km². Ourinhos também está situada na Mesorregião de Assis e microrregião de mesmo nome, que possuem, respectivamente, áreas de 12.710,210 km² e 5.568,472 km².
 

Demografia

Em 2010 a população do município segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é de 103 026 habitantes, sendo o 73º mais populoso do estado e apresentando uma densidade populacional de 347,82 habitantes por km².  Segundo o censo de 2000, 49,10% da população eram homens (46 093 habitantes) e 50,90% (97 389 habitantes) mulheres. Cerca de 95,21% (89 376 habitantes) vivia na zona urbana e 4,79% (4 492 habitantes) na zona rural. 
O Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) de Ourinhos é considerado elevado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Seu valor no ano de 2000 era de 0,813, sendo o 96º maior do estado. No ano de 2007, considerando apenas a educação, o valor do índice é de 0,882, enquanto o do Brasil é 0,849. O índice da saúde é de 0,864 (o brasileiro é 0,787) e o de renda é de 0,665 (o do Brasil é 0,723). A cidade possui a maioria dos indicadores elevados e, excluíndo o índice de renda, todos acima da média nacional segundo o PNUD. A renda per capita é de 11.074,00 reais. O coeficiente de Gini, que mede a desigualdade social é de 0,46, sendo que 1,00 é o pior número e 0,00 é o melhor. A incidência da pobreza, medida pelo IBGE, é de 14,92%, o limite inferior da incidência de pobreza é de 14,56%, o superior é de 14,92% e a incidência da pobreza subjetiva é de 18,12%. No ano de 2000, a população ourinhense era composta por 73.683 brancos (78,50%); 3.047 negros (3,25%); 14.869 pardos (15,84%); 1.574 amarelos (1,68%); 305 indígenas (0,33%); além dos 389 sem declaração (0,41%).